História da Língua Árabe:

A língua árabe, originalmente falada no Norte da África e Oriente Médio, pertence ao ramo lingüístico semita. É justamente com o advento do Islã, há aproximadamente 1500 anos, que o árabe, assim como o latim no contexto Cristão, passou a ser usado no seio de todas as comunidades islâmicas espalhadas pelo mundo como referência religiosa e cultural. Tal realidade se deve ao fato do Alcorão, livro sagrado do Islã, base de seus cânones, e também um dos expoentes literários da língua árabe, estar escrito em árabe assim como toda a sua liturgia.

O árabe é a língua de comunicação de mais de 200 milhões de pessoas, designando-se por "árabe literal" a língua erudita e a respectiva escrita - comuns a todos os falantes - e por "árabe coloquial" (ou dialetal) o árabe falado, cuja base é a mesma do literal, mas que sofre alterações dialetais de região para região. O alfabeto árabe, chamado de alifato (devido a sua letra inicial o alif), é constituído por 28 letras e é escrito e lido da direita para a esquerda.

A crescimento do Islã a partir do século VIII, levou ao contato da língua árabe com várias regiões do mundo, criando um legado linguístico visível até os dias de hoje: da numeração árabe original desenvolveu-se o sistema de numeração ocidental, o qual, apesar das múltiplas alterações introduzidas ao longo dos séculos, é ainda hoje conhecido como "arábico", em oposição aos numerais romanos ou latinos.

Dos sete séculos de presença na Península Ibérica – na Espanha de 711 a 1492, quando os Reis Católicos ocuparam Granada, ou até 1249 em território Português, quando Afonso III terminou a conquista do Algarves - resultaram imensas influências, principalmente em nível lingüístico e arquitetônico.